São José lamenta chances perdidas contra Rio Preto e promete melhorar

218

Águia do Vale fica no empate por 1 a 1 com Jacaré nessa quarta-feira, 4, pela primeira partida da semifinal do Brasileiro Feminino; times se reencontram na próxima semana

De São Paulo                                                                                                                                     

Assim que a partida entre São José e Rio Preto começou nessa quarta-feira, 4, a Águia do Vale tomou a iniciativa de atacar as visitantes. A postura deixou claro que as joseenses queriam fazer valer o mando de campo e abrir a disputa das semifinais do Brasileiro Feminino com uma vitória. Não deu. As equipes empataram por 1 a 1 no estádio Martins Pereira pelo jogo de ida.

Após a partida, a técnica Emily Lima e a zagueira Bagé, capitã do São José, lamentaram as chances perdidas pela equipe. Porém, evitam o desânimo e demonstram confiança em alcançar a classificação à final na próxima quarta-feira, 11, quando enfrentam o Rio Preto às 19h, no estádio Anísio Haddad.

– Sair perdendo já não era o que esperávamos. É uma equipe que está criando bastante, o que é bom, mas a bola tem que estar lá dentro. Não tem jeito. Ainda mais em casa. A gente poderia ter saído daqui com um placar de dois gols de diferença, sem ter tomado o gol que tomamos. Mas agora é trabalhar em busca da vitória – disse a técnica Emily Lima.

– Fomos para o intervalo falando disso. Tivemos muitas oportunidades, no primeiro tempo principalmente, oportunidades que não podemos deixar perder. Vamos trabalhar mais, corrigir o que erramos  aqui para ir para Rio Preto e fazer um bom jogo – acrescentou Bagé.

Com este empate, o São José precisa da vitória ou de um empate por mais de dois gols para garantir a classificação. Se o placar for o mesmo da partida de ida, a decisão será nos pênaltis. Empate sem gols dá a classificação ao Rio Preto.

Emily Lima destaca que a preparação da equipe para o duelo será, principalmente, psicológica. E sobre o clima de revanche sobre o Rio Preto, já que o Jacaré tirou o título Brasileiro do ano passado das joseenses, a treinadora minimiza.

– Não vale a pena ficar falando essas coisas. Temos que ir lá e jogar. Fazer o nosso trabalho e voltar com a nossa classificação. Se for lá ou não, temos que classificar para estar na final – ressaltou.

A zagueira Bagé segue a mesma linha e prega respeito pelo adversário.

– O Rio Preto é uma equipe diferente das outras equipes. Principalmente porque elas não param um minuto de correr, de se movimentar. Às vezes, para um padrão tático e para nós que estamos postadas mais atrás, isso acaba nos prejudicando um pouco. Elas saem de muitas posições diferentes. Isso nós temos que estar espertas. É uma equipe muito qualificada, que tem muita força. Mas vamos buscar essa classificação para a final do Brasileiro. Tenho certeza que faremos um jogo melhor – destacou.

Comentários Facebook