RAMIS BUCAIR → Homenageado com o nome no complexo turístico da salgadeira, morou no bairro Dom Aquino

168
Ramis Bucair nasceu em Poxoréo [251 km ao sul de Cuiabá], no dia 13 de junho de 1933, foi criado em Cuiabá. Seu pai, José Bucair, era um comerciante libanês, que veio para a capital de Mato Grosso em 1922 para abrir uma loja de tecidos e gêneros alimentícios, na Rua Coronel Sollon atual rua General Mello.
Desde que voltou para Cuiabá, em 1953, ele não parou mais de viajar, pesquisar, fotografar, topografar e colecionar. Na época, Cuiabá tinha carência de engenheiros e não faltou trabalho em seu escritório de engenharia, aberto no centro da cidade. Faleceu no dia 20 de dezembro de 2011 – 78 anos de idade Ramis Bucair, foi criador do Museu de Pedras que leva seu nome. Em homenagem à sua cidade natal, no dia 08 de abril de 1959, por ocasião dos 240 anos da Fundação de Cuiabá, Ramis abriu as portas para o público visitar sua coleção particular. São cartas e mapas antigos, artefatos indígenas, animais empalhados, fósseis de peixes, crustáceos, pedras com inscrições rupestres.
Muitos tipos de rochas, pedras preciosas e semipreciosas, aspectos da formação geológica de Mato Grosso, recolhidas por Bucair em suas andanças pelo Estado. De lá para cá, são 50 anos de museu, comemorados na data do aniversário de Cuiabá, e o agrimensor se orgulhava de ser testemunha viva da importância do trabalho de demarcação, realizado pelo Exército Brasileiro através do Marechal Cândido Rondon.
Em seu escritório, ele que era espeleólogo, membro do Instituto Histórico e Geográfico de Mato Grosso, fundador e presidente da Sociedade dos Amigos do Marechal Rondon e do Museu de Pedras Ramis Bucair, guardava como um troféu valioso o teodolito, equipamento que o Marechal Rondon usou percorrendo 8 mil quilômetros instalando a linha telegráfica e desbravando cerca de 500 mil quilômetros quadrados do Centro-Oeste brasileiro.
Ao lado de seu troféu fica pendurado na parede o mapa de Mato Grosso, batizado à época com o nome de “Carta do Estado de Mato Grosso e Regiões Circunvizinhas”, autografado por Rondon. Apesar de tanta história para contar, Bucair não fazia o tipo saudosista e queria ver seu berço progredir. (Fonte: Grupo Cuiabá e Mato Grosso de Antanho)
Fotos: 1ª) Casa de Ramis Bucair na Rua Comendador Henrique (antigo Beco do Urubu, no bairro Dom Aquino); 2ª) Museu de Pedras na Rua Ricardo Franco (Centro Histórico). [Foto: Joacir H. de Amorim e Cuiabá e Mato Grosso de Antanho]
Casa de Ramis Bucair na Rua Comendador Henrique no bairro Dom Aquino.  [Foto: Joacir H. de Amorim]
Museu de Pedras Ramis Bucair na Rua Pedro Celestino, Centro Histórico de Cuiabá.   [Divulgação]
Comentários Facebook