Noiados transferidos da Ilha da Banana para casa no centro de Cuiabá, revoltam moradores do local

322
Usuários da Ilha da Banana transferidos para casa no centro, revolta moradores locais. [Reprodução/Google]

Moradores de rua e drogados desocupam o último prédio ainda em pé na Ilha da Banana e mudam para perto do IFMT

Estão cobertos de razão os moradores das proximidades do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso-IFMT. A transferência de viciados em drogas e moradores de rua para uma casa alugada pela prefeitura de Cuiabá próximo ai IFMT, centro norte, incomoda e revolta moradores, na sua maioria, antigos no local.

A Associação de Moradores de Bairros Centro Norte, deveria entrar imediatamente com ação na justiça pedindo a retirada dessas pessoas daquele local. A prefeitura, que não faz absolutamente nada para coibir trafico e consumo de drogas em frente à sua sede, na praça Alencastro, que acontece em plena luz do dia em que alunos de escolas públicas uniformizados consomem drogas tranquilamente, agora põe em risco também alunos do IFMT, que são cerca de 1,5 mil, com idades entre 14 e 17 anos, que ficarão à merce de traficantes que já infestam o local e agora, também dos viciados.

O folclórico Jejé, por viver sozinho, foi vitima constante de usuários de drogas e realizavam furtos e roubos. [Reprodução/Google]
Bem próximo desse local morava José Jacintho, o conhecidíssimo Jejé, que por viver sozinho, sofreu com as ações de viciados que já existem aos montes por lá e agora a prefeitura e o governo do Estado mandam mais esses da Ilha da Banana. Servidor público estadual aposentado e principal colunista social que Cuiabá conheceu e que só não morreu sozinho e abandonado, porque foi amparado por amigos, fãs e admiradores. O poder publico municipal ou estadual não fizeram nada, absolutamente nada para ajuda-lo.

Porte e consumo de drogas ilícitas estão listados no Código Penal Brasileiro, portanto, viciado é criminoso. Noiado não trabalha, vive de roubo e furtos de objetos para trocarem por drogas para satisfazerem seus vícios. E não titubeiam em agredir ou até tirar a vida de quem reage às suas investidas. São criminosos, tem e devem ser tratados como tal. A prefeitura e a secretaria estadual de cidades/secid deveriam arrumar esse local em bairros bem afastados do centro de Cuiabá.

De acordo com reportagem do jornal A Gazeta, veiculada no sábado (15.07), a chegada dos ‘novos vizinhos‘ causou grande polemica e tirou o sossego dos moradores e trabalhadores da região que prometem abaixo-assinado para impedir que permaneçam no local.

Prédio antigo do Fórum de Cuiabá, abandonado foi tomado por viciados e moradores de rua, que aterrorizaram comerciantes das proximidades com roubos e furtos constantes.                   [Joacir Hermes/Acervo Particular]
Segundo presidente do bairro, Francisca Lopes, ali era muito tranquilo, mas desde que a ‘casa azul‘ foi apontada como a que iria receber moradores de rua, a rotina mudou.       “Eles invadiram uma casa amarela ao lado da alugada pela prefeitura, roubaram portão, portas, janela, fiação e tudo mais que conseguiram tirar. Tiraram o nosso sossego“, denuncia.

Uma senhora aposentada, que o nome não será revelado, e mora no local a mais de 50 anos, contou que perdeu o sono ao saber que os usuários de drogas se mudariam para o local. Disse que no fim de semana três casas na rua em que mora foram arrombadas. Ontem [sexta-feira: 14.07] de manhã ela estava consertando a cerca elétrica da sua residencia que foi rompida, na opinião dela pelos ‘novos vizinhos’.                             “Nem dinheiro para o conserto tinha, mas tive que negociar com o dono da firma para um jeito. A gente fica muito preocupada“, confessa.

Ela lembrou ainda que há algum tempo em uma casa ao lado da sua funcionou um abrigo de menores. Já naquela época houve alguns transtornos, mesmo com vigilância do poder público. Nessa casa ela diz que não haverá fiscalização nenhuma.                                   “Já teve casos de roubo de celulares e furto de outras coisas nas casas depois que esse pessoal começou a vir para cá“, afirmou.

Segundo a reportagem de A Gazeta, a prefeitura, através da secretaria-adjunta de assistência Social de Cuiabá, Marlene Vieira afirmou que em qualquer local que os moradores de rua fossem abrigados sofreriam rejeição.                                               “São seres humanos que estão em situação de rua, precisam ser tratados com dignidade“. E a sociedade pergunta para a senhora Marlene Vieira, “e esses viciados tratam a população de Cuiabá com dignidade???“. Eles acabaram com o comércio cuiabano no centro da capital. Das proximidades da Santa Casa, no bairro Bandeirantes, avenidas da Prainha e coronel Escolástico, nas proximidades da Ilha da Banana e encosta do Morro da Luz, só os grandes comerciantes tiveram condições de se manterem no local. E a dignidade dos pequenos comerciantes desses locais que foram escorraçados do seu local de trabalho por esses viciados, não tinham que ser tratados com dignidade?

Campus Cuiabá do IFMT Octayde Jorge da Silva no centro de Cuiabá.              [Foto: Assessoria/IFMT]
E o IFMT por meio de nota, disse que foi informada por meio do jornal A Gazeta sobre a presença dos novos moradores próximo ao campus e que ainda não pode se posicionar sobre o assunto. Entretanto, destaca que “o entorno da instituição, a algum tempo se caracterizado pela falta de segurança, principalmente no entardecer“.

Comentários Facebook