MORTES EM MINI ESTÁDIOS DE CUIABÁ E VÁRZEA GRANDE

761

PASSADOS QUATRO ANOS, CASO JULIENE CONTINUA SEM SOLUÇÃO

Por: Joacir Hermes de Amorim                                                                                Reportagem Local

O assassinato de Juliene Anunciação Gonçalves, 19, ocorrido em 28.05.2012, completou neste sábado (28.05) quatro anos e continua sem solução. A jovem foi estuprada e morta por esganadura (enforcamento com as mãos), teve o corpo nú dependurado no corrimão de acesso às arquibancadas do mini estádio do CPA-II, mais conhecido como Campo do Botafogo, numa tentativa de simular um suicidio, ainda está sem autoria confirmada.

Na época do crime, A.R.S.S., foi preso como principal suspeito. Ele era amigo da vitima e a encontrou em uma festa. Os dois, em companhia de um primo de Juliene, sairam da festa juntos. O primo foi deixado em casa pelo acusado, que levaria a jovem embora. A. alega que Juliene pediu para ficar em um bar, ele atendeu ao pedido e foi embora. o dia seguinte o corpo foi encontrado.

Embora o celular da vitima e fios, que podem ter sido usados no enforcamento dela, tenham sido encontrados no carro do acusado, ele foi solto.

Além deste, outros casos aconteceram nos últimos três anos, seja em Cuiabá, como em Várzea Grande. Este ano aqui m Cuiabá, ocorreram outras mortes, o corpo de um homem amanheceu morto nas dependências do mini estádio do Jardim Vitória e no mini estádio do Novo Horizonte. Um casal de viciados tentou roubar uma pessoa que passava pelo local, que reagiu a tiros de revolver, atingindo a mulher que  foi morrer nas dependências da praça esportiva e o homem que correu em outra direção e que não foi atingido com muita gravidade. No bairro Praeirinho, quando da disputa da final de um campeonato, com o mini estádio abarrotado de pessoas, houve a execução de um ex-segurança do bicheiro João Arcanjo Ribeiro.

No ano passado, o corpo de um homem amanheceu morto nas dependências do mini estádio do Jardim Vitória. E um homem foi achado morto a tiros de arma de fogo nas dependências do mini estádio do CPA-II e segundo a Policia Militar pode ter sido um acerto de contas entre traficante e usuário de drogas.

Também no ano passado, em Várzea Grande, um homem foi encontrado morto no mini estádio do Jardim Gloria e uma jovem de 18 anos, com a filha de menos de um ano de idade, foi executada com um tiro de arma de fogo desferido pelo ex-namorado dela, enquanto assistia a uma partida de futebol no bairro Jardim Imperial.

Está certo que é humanamente impossível colocar uma guarnição policial em cada mini estádio quando da realização de competições, mas alguma coisa precisa ser feita para garantir a integridade física das pessoas que frequentam as nossas praças esportivas, tanto de quem é atleta quanto dos que ali estão apenas para assistir futebol de boa qualidade, coisa que não temos no futebol profissional ou só para torcer por alguém ou algum time que simpatiza.

Os governos Estadual e Municipal já deram mostras de total incompetência no trato com as coisas públicas que não temos como esperar nada de bom deles. Talvez a iniciativa privada encontre um meio de nos garantir esse direito, já que o poder público só é bom para cobrar impostos e roubar dos contribuintes.

Comentários Facebook