Morro do Tambor/Dom Aquino: Goiás Esporte Clube, 20 anos de vitórias

143
Maior rival da Ponte Preta do mesmo bairro, também foi destaque no cenário cuiabano de futebol amador
 
CUIABÁ/MT – Time amador de futebol do antigo Morro do Tambor, fundado no começo da década de 1970, do século passado, pelo senhor Demésio Magalhães e que cuja sede funcionava na rua São Cristóvão no Morro do Tambor, atual bairro Dom Aquino, mesmo endereço da residência de seu fundador e principal mandatário, senhor Demésio Magalhães.
 
Sob o comando do senhor Demésio, o Goiás Esporte Clube sempre foi um time forte e guerreiro, temido nos campeonatos e torneios das quais participou e foi o principal rival da Ponte Preta, também do Morro do Tambor. O senhor Demésio contou com a ajuda de uma Diretoria muito boa e atuante, que muito ajudou o “Velho Guerreiro” levantar bem alto o nome do Alvi verde do Morro mais querido de Cuiabá.
 
Senhor Demésio Magalhães, fundador do Goiás Esporte Clube do Morro do Tambor [Crédito: Joacir/Clube News]
“Seo” Bugrinho, Didi da LICB, seo Izaias e seo José Proença foram os baluartes que mantiveram por 20 anos esse time em atividade e dando muitas alegrais à sua torcida. O Goiás tinha uma ala feminina muito forte que acompanhava o time para todo e qualquer lugar e topava qualquer parada em defesa do time do Morro do Tambor.
 
Jovens que fizeram sucesso no futebol de Mato Grosso, como os irmãos: Jaílson e Jaílton que iniciaram carreira profissional no Clube Esportivo Dom Bosco, quando adolescentes vestiram a camisa do Goiás Esporte Clube. Também vestiram a camisa do time verde e branco do Morro do Tambor, o muito conhecido Renato Três Dedos e seus irmãos, Tono e Guiei [este um excelente zagueiro que tinha futebol para jogar não só em qualquer time profissional de Cuiabá, mas como do Brasil, que infelizmente perdeu a luta para o vício em bebida alcóolica]; os hoje, Sargentos da Polícia Militar Walmir “Bocótinha” [irmão de Marinho Silimbu, ex-lateral direito do Dom Bosco] e Mário Carlos “Carlinhos” e seus irmãos Laércio “Podró” e Luis Carlos “Bujão”; além dos zagueiros Pedrão, de estilo clássico e Máximo, que batia até na própria sombra, Oliveira [que fez parte do timaço do C.R.A.C de Dézinho na década de 1970], Peró [irmão do ex-goleiro Piranha do Operário-VG], Rubinho “Papuíra” Virgílio e Amaral ou Pelézinho…
 
Em entrevista na segunda feira (14) o senhor José Proença falou para a reportagem do sobre a época em que fez parte da Diretoria do Goiás – Seo Zé Proença lembrou que o time foi fundado pelo senhor Demésio Magalhães, no começo da década de 1970 [Aqui, eu faço um adento: Eu casei-me no dia 15 de dezembro de 1984 e lembro-me perfeitamente, que alguns anos após meu casamento eu ainda via o time do Goiás em atividade, portanto acredito que aqui houve um equívoco da parte de seo Proença, mas que é totalmente compreensível]. Disse que Ele [Zé Proença], e os senhores Izaias, Bugrinho e Osvaldino Santos, o conhecido Didi da L.I.C.B [que faleceu passados poucos dias, vitima do Coronavírus] formavam a diretoria que dava apoio a seo Demésio no trabalho de manter o grande rival da Ponte Preta do Morro do Tambor em atividade.
 
Pedrão, que foi por muito tempo um dos esteios da defesa do Goiás Esporte Clube do Morro Tambor [Crédito: Joacir/Clube News]
Lembrou da rivalidade que havia entre times do futebol amador nas década entre as décadas de 1960 e 1990. Essa rivalidade, nos dias atuais “arrefeceu”, já não é como nessa época menciona, quando era questão de honra vencer o adversário, especialmente quando era jogo de times de Cuiabá, contra os de Várzea Grande e de comunidades ribeirinhas. Mas tudo na maior honestidade e camaradagem, a rivalidade era somente dentro de campo, mas era pesadíssima e, muitas vezes os jogos terminavam com briga generalizada. Isto, particularmente na comunidade de Valo Verde, onde eles não aceitavam, de jeito nenhum, perder para os times de Cuiabá. Eu mesmo, presenciei algumas dessas brigas. Ele lembro ainda que, os irmãos Jaílson e Jaílton jogaram pelo Goiás antes de serem nomes conhecidos no futebol de Mato Grosso. Jaílson foi campeão pelo Operário e Jailton pelo Dom Bosco.
 
Confidenciou que essa época em que fez parte da organização do time do Goiás, foi um dos melhores momentos de toda sua vida. Um período de muito esforço e trabalho, pois além de batalhar a semana inteira pelo sustendo de sua família, os domingos era sagrados para a colaboração com o time do Morro do Tambor, mas que valeu e muito a pena. Ele lembrou que o time do Goiás começou acabar, no momento em que seo Demésio perdeu um de seus filhos. Isso mexeu muito com a cabeça dele e ele aos poucos foi perdendo o encanto e a alegria de “tocar” o time do Goiás.
 
Já a neta de seo Demésio Sirlene Laurena,retificou dizendo que “o time só acabou com o falecimento do meu avô Demezio no ano de 92 e quase um ano depois faleceu o meu tio Antônio. O meu avô faleceu primeiro do q meu tio.
Abaixo,  mais  imagens  do  time  do  Goiás  Esporte  Clube  do Morro do Tambor, das décadas de 1970 e 1980 [Credito: Sirlene Laureana e Karoline Oliveira_Acervo Clube News-todos os direitos reservados]
Comentários Facebook