Ministro interino do Trabalho é réu um ação de roubo de energia, diz GloboNews

16
Helton Yomura, ministro interino do Trabalho, é réu em ação de roubo de energia
Agência Brasil

Helton Yomura, ministro interino do Trabalho, é réu em ação de roubo de energia

Ministro interino do Trabalho e  garantido na pasta até o mês de março , Helton Yomura é réu em uma ação de roubo de energia. As informações são do canal de televisão GloboNews. Segundo a reportagem, uma empresa da qual o ministro é sócio teria feito uma ligação clandestina de energia.

Yomura é um dos donos da Fimatec, empresa que aluga e vende empilhadeiras e peças para máquinas no Rio de Janeiro. A ligação clandestina foi encontrada por funcionários da concessionária de energia Light em um galpão da empresa, localizado na zona norte da capital fluminense, no mês de abril de 2014. De acordo com a reportagem, os técnicos da fornecedora de eletricidade constataram o desaparecimento de dois relógios de energia ao lado do “gato”.

O Ministério Público denunciou os sócios da empresa pelos crimes de furto de energia e furto qualificado ainda em 2014. No ano seguinte, a Justiça aceitou a denúncia. “Os sócios da empresa Baldomero Simões Abreu e Helton Yomura, livre e conscientemente, subtrairam para si energia elétrica de propriedade da empresa Light S.A de janeiro a abril de 2014”, diz um dos autos do processo. Ainda de acordo com a denúncia, o prejuízo estimado pela concessionária é de R$ 25 mil. Caso Yomura e o sócio sejam condenados, eles podem pegar até 12 anos de prisão.

Através de nota, Helton Yomura respondeu que após a queda de um posta a Light teria reestabelecido a energia, mas teria esquecido de colocar os relógios. Ainda segundo o ministro interino, a dívida da Fimatec com a concessionária de energia já foi paga e que ele acredita no arquivamento da denúncia. Também em nota, o PTB afirmou que Yomura já havia avisado o partido e o governo sobre a existência do processo e que ele não será indicado caso comprove a extinção do mesmo.

Indicação do partido

O PDT decidiu pela permancência de Yomura no cargo até março em reunião na tarde desta quarta-feira. A informação veio de Jovair Arantes (GO), líder do partido na Câmara dos deputados. De acordo com Jovair, as discussões sobre um nome do PTB para ocupar definitivamente a o Ministério do Trabalho serão feitas mais perto da mudança. “Vamos deixar para discutir isso quando estiver mais próximo”, disse o líder. Ministros do governo que pretendem se candidatar nas eleições de outubro precisam deixar o cargo até abril, em cumprimento à legislação eleitoral. Por isso, a nomeação definitiva do ministro do Trabalho ficaria para esse período de mudanças nos comandos dos ministérios.

Além de Jovair Arantes, também participaram da reunião com Temer, no Palácio do Planalto, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e a deputada federal Cristiane Brasil (RJ).

Em janeiro deste ano, Cristiane Brasil foi indicada pelo PTB para assumir o cargo de ministra do Trabalho, mas foi impedida de tomar posse no cargo por decisões da Justiça. Segundo o líder Jovair Arantes, durante a reunião, Cristiane Brasil agradeceu ao presidente Temer pela nomeação.

Leia também: Maia diz que apresentação da nova pauta econômica é “desrespeito” ao Parlamento

Na terça-feira (20), Roberto Jefferson, que é pai de Cristiane Brasil, divulgou em sua conta no Twitter a decisão de desistir da indicação da deputada. Ele registrou que a atitude “visa a proteger a integridade de Cristiane e não deixar parada a administração do ministério”.

Advogado carioca, Helton Yomura se vinculou ao PDT em dezembro de 2014 e foi superintendente regional no Rio de Janeiro e, em outubro de 2017, assumiu o cargo de secretário-executivo.

Comentários Facebook