Há 1 ano, vítimas da tragédia da Chapecoense jogaram pela última vez; hoje, time vê Libertadores possível

40
© Gazeta Press Palmeiras Chapecoense Futebol Perfilados Campeonato Brasileiro

O dia 27 de novembro de 2016 era de festa para Palmeiras e Chapecoense. Afinal, o primeiro, com uma simples vitória no Allianz Parque, sagraria-se campeão do Campeonato Brasileiro; já a segunda estava desinteressada com o torneio nacional, mas empolgada com a disputa da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional que se aproximava.

A decisão internacional, no entanto nunca aconteceu.

Dois dias depois, setenta e uma vidas foram destruídas pela imprudência da companhia aérea boliviana LaMia, que não calculou de forma satisfatória o combustível para chegar à Colômbia e deixou o avião da Chape cair nas montanhas de Antioquia.

Há exatos 365 dias, a formação Danilo; Gimenez, Marcelo, Filipe Machado e Alan Ruschel; Matheus Biteco, Sérgio Manoel, Cléber Santana (Gil), Tiaguinho (Aílton Canela), Bruno Rangel (Kempes) e Lucas Gomes; Caio Júnior se apresentava pela última vez. O lateral esquerdo foi um dos seis que tiveram a sorte de se salvarem do acidente, ao lado do goleiro Jakson Follmann, do zagueiro Neto, do jornalista Rafael Henzel e de dois dos integrantes da tripulação, Ximena Suárez e Erwin Tumiri.

Após todas as manifestações de carinho e auxílio ao clube, restava à Chapecoense reconstruir-se para a temporada de 2018, em que teria pela frente um largo calendário. Ao todo, foram quase 30 jogadores contratados para a remontagem do elenco – quase todos eles emprestados gratuitamente pelos clubes. Indubitavelmente, eles seguem orgulhando a aprazível cidade de Chapecó.

No último domingo, em Salvador, a equipe alviverde não tomou conhecimento da força do Bahia na Fonte Nova e bateu os nordestinos por 1 a 0, gol marcado por Wellington Paulista, aos 44 minutos do primeiro tempo.

Com a importante vitória, a Chape irá para o derradeiro jogo, no próximo domingo, contra o ameaçado Coritiba, em casa, podendo sonhar com uma volta à Libertadores da América. Na nona colocação, com 51 pontos, tem condições de passar Botafogo, Vasco e até o Flamengo e chegar à sexta posição caso uma combinação favorável de resultados aconteça.

Vale lembrar que ainda há a chance da equipe da Arena Condá classificar-se para a principal competição continental mesmo estando onde está atualmente no Campeonato Brasileiro. Para isso, basta que Grêmio e Fla sejam campeões da Libertadores e da Copa Sul-Americana, respectivamente, abrindo-se assim um G-9 no Nacional.

Segunda chance

Se voltar à Libertadores em 2018, esta será uma segunda oportunidade para a Chapecoense em sua história.

Na primeira, neste ano, classificou-se por conta do título da Sul-Americana e caiu em um grupo complicado, com Nacional-URU, Lanús-ARG e Zulia-VEN. A rigor, foram três vitórias, um empate e duas derrotas, que qualificariam o time para as oitavas de final.

Entretanto, um erro da diretoria custou caro à Chape. Quando bateu os argentinos por 2 a 1, fora de casa, o zagueiro Luiz Otávio – autor de um dos gols, inclusive – atuou de forma irregular e, em consequência disso, o clube brasileiro acabou perdendo os três pontos do jogo e foi eliminado precocemente.

Por ironia do destino, o Lanús é justamente o adversário do Grêmio na decisão da competição.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here