Futebol profissional de Mato Grosso: Memórias de um apaixonado

187

Quem te viu…Quem te vê! Aqueles não conheceram a Época de Ouro do futebol mato-grossense não sabe o que perdeu

CUIABÁ – Para que assistiu jogos amistosos no estádio Presidente Eurico Gaspar Dutra do Mixto, Dom Bosco, Operário, contra grandes times do futebol brasileiro com Flamengo, Corinthians, Santos, Atlético-MG, contra times de menor expressão mas conhecidos nacionalmente como América do Rio de Janeiro, Ponte Preta e Guarani de São Paulo, os Vila Nova de Minas Gerais e de Goiás, sem contar a rivalidade com os times de Campo Grande Operário, Comercial e Sociedade Esportiva Industriária, além de Corumbaense e Marítimos de Corumbá, Ubiratã e 21 de Abril de Dourados e também União e Barra do Garças, hoje ficam só nas boas lembranças do futebol daquela época em valia à pena ir assistir jogos de futebol nos finais de semana e também no meio da semana, quando nossos clubes passaram a disputar o Campeonato Brasileiro, à partir de 1976. Além dos amistosos internacionais com Seleções do Paraguai, da Russia e com o Zeljeznicar da Iugoslávia que empatou com o Dom Bosco em 1 a 1, que tinha Katalinsk um dos melhores jogadores da Europa nos anos 70. O Dom Bosco foi o primeiro time de Mato Grosso a jogar no estádio do Maracanã em um amistoso contra o São Cristóvão do Rio de Janeiro em uma preliminar de uma partida pelas Eliminatória para Copa do Mundo de 1970, no México.

Nesta formação do Operário estão alguns dos jogadores que atuaram no confronto com o Mixto: Carlos, Paulinho, Miro, Mosca, Pelezinho e Humberto. Faltam: Polaco, Iranir, Nelson Lopes, Tadeu Macrini e Wilsinho. 

Naqueles anos dourado de nosso futebol, além dos amistosos acima citados, o Campeonato Mato-grossense e os vários Torneios promovidos pela Federação Mato-grossense de Desportos [só em meados da década de 1980, passou a ser Federação Mato-grossense de Futebol] como o Torneio Incentivo Integração em 1973 com a participação dos times de Campo Grande e o Torneio Centro-Oeste em 1976 com times de Campo Grande [Operário e Comercial],  de Minas Gerais [Uberaba], Goiás [Vila Nova, Atlético e Itumbiara], Brasilia [Brasilia] e o América Futebol Clube do Rio de Janeiro, uma das sensações do Rio de Janeiro na segunda metade da década de 1970, além claro, de Mixto, Dom Bosco e Operário de Várzea Grande. O Mixto venceu ambos torneios.

Dos amistosos, lembro-me muito bem de Dom Bosco 2 X Santos 5, em 1972. Dom Bosco 1 X Vasco da Gama 2, também em 1972. Operário-VG 0 X Flamengo 4 em 1973 e Operário-VG 1 X 4 Atlético-MG em 1974 e Dom Bosco 1 X 1 Zeljeznicar, todos no Dutrinha. A pré-inauguração do Verdão em 08 de abril de 1975 com o jogo entre Seleção de Cuiabá e Fluminense vencido pelos cariocas com um gol de Gil, o primeiro no Verdão. O quadrangular da inauguração oficial com Mixto, Operário-VG, Dom Bosco e Flamengo em 1976. Ainda em 1976, o jogaço entre Mixto e Operário-VG valendo vaga para representar Cuiabá no Campeonato Nacional pela primeira vez. O “jogo da vida do saudoso Tuta” que só jogou dez minutos e ganhou a partida para o Mixto e também o timaço montado pelo Tigre da Vargas para disputar pela primeira vez o Brasileirão e a inesquecível ACADEMIA DE FUTEBOL do Dom Bosco de 1977 a 1979. Campeão em 1971 e vice-campeão em 1972. Para esse jogo o Tricolor da Fronteira montou uma verdadeira seleção com Carlos Pedra no gol e Polaco na zaga. Um meio de campo de fazer inveja com Humberto, Nelson Lopes e Môsca e um ataque de time grande: Pelézinho, Tadeu Macrini e Wilsinho. O Palmeiras também fez bonito nos anos 70. Em 1973 e 1974 teve jogadores com futebol para jogar nos grandes times do futebol brasileiro. Os goleiros Dárcio e Barbosa; Herivelto, Nide, Nelson, Pereira, Alair e Iranir na sua defesa; Luiz Afonso, Humberto, Ceci, Carequinha, Laércio para o meio de campo e muitos bons atacantes: Sabará, Luiz Paulo Caxambu, Careca [Roberto de Jesus Cesar], Clóvis, Oberdan e Darcibel.

Um dos melhores elencos montado pelo Mixto em toda sua história, que disputou o Brasileirão-76: Em pá: Toninho, Edson, Ari Martins, Polaco, Diogo e Lourival.Agachados: Pelezinho, Rômulo, Bife, Pastoril e Traira. 

As décadas de 1980 e 1990 foram de Mixto e Operários. O Mixto conquistou mais títulos que o Operário. Veio o século 21, e junto com ele, a derrocada do futebol no Estado. Os times do interior predominaram e arrebataram para si as honras de ter o melhor no futebol. Juventude de Primavera do Leste, Sinop, Luverdense estiveram muito à frente dos times da Capital, até que em 2009 o Cuiabá Esporte Clube foi fundado e recuperou a hegemonia, mas brilha sozinho, pois os times de Cuiabá e o Operário-VG cada vez se afundam mais.

Tivemos o estádio Governador José Fragelli, o Verdão, que tinha o gramado considerado o segundo melhor do país, só perdia para o do Serra Dourada, em Goías. O estádio Verdão foi a principal fonte de alegria dos cuiabanos de 1976 à 2013, quando por conta da ganancia desenfreada de um politico corrupto foi demolido. Quem não se lembra da primeira apresentação da Seleção Brasileira de Futebol em Cuiabá, 1981, contra a seleção da Suíça quando empatou em 1 a 1, gol do Brasil marcado por Sócrates? O Mixto perdeu a muitos anos sua sede social. A do Dom Bosco que já foi a melhor do Centro Oeste brasileiro está em estado deplorável e o Operário nunca teve sede social.

O estádio Verdão. Foi um verdadeiro assassinato o que fizeram com essa propriedade do povo mato-grossense. Não tinha necessidade alguma de ser demolido. Infelizmente foi vitima da ganancia criminosa de um politico corrupto.

Atualmente, o futebol profissional está bem menos interessante que o futebol amador que anda dando aula de organização nos times profissionais. Só Deus sabe se a torcida cuiabana voltará a ter a alegria de encher um estádio em Cuiabá para assistir uma partida de futebol decente, como foi nas épocas do Dutrinha e do Verdão.

Uma cidade que já teve um estádio do porte do Verdão e atualmente tem um do porte da Arena Pantanal, mas não tem um local onde a Federação Mato-grossense de Futebol mandar os jogos dos times de Cuiabá que irão disputar a Copa Governador que indica dois times para disputar a Copa São Paulo de Futebol Junior de 2020. Isso é vergonhoso, é um ATESTADO de incapacidade  e incompetência dos dirigentes do futebol profissional do Estado de Mato Grosso.

Por causa de um político corrupto o futebol de Mato Grosso está quase acabado. Cuiabá, foi para escolhida para ser uma das sedes da disputa da Copa do Mundo de 2014 e isso em tese, deveria ser um salto para o futuro em relação tanto ao futebol profissional do Estado, como para a infraestrutura da cidade que com as obras que seriam feitas para poder sediar o maior evento futebolístico do planeta, deveria ficar sendo uma das cidades mais modernas do Brasil, mas o povo havia elegido um dos piores politicos da história do Estado para ser governador e ele roubou, roubou e roubou, quebrou o Estado e cinco anos depois estamos sofrendo e vamos sofrer por muitos anos ainda os efeitos devastadores das ações cometidas pelo bandido Numero Um da história deste Estado.

Os dois maiores crimes cometidos por esse ser maligno foram as mudança do modal de transporte escolhido para a Capital, de BRT para VLT com o simples intuito de roubar o dinheiro do contribuinte mato-grossense, pois essa mudança já custou mais de R$ 1 bilhão aos cofres do Estado e para ficar pronto consumirá outro bilhão. E a demolição do estádio Governador José Fragelli [sem motivo nenhum, apenas para que se pudesse roubar o dinheiro publico]. A Arena Pantanal poderia ter sido feita em qualquer lugar de Cuiabá e o Verdão preservado para as disputas menores como Campeonato Estadual, Copas e torneios.

Mas a derrocada do futebol profissional mato-grossense não é somente por causa desse politico corrupto. Dirigentes incompetentes e as vezes também corruptos, que se deram muito bem às custas do nosso futebol profissional, enquanto que o mesmo está praticamente acabado. A entidade gestora do nosso futebol profissional não tem um lugar decente e adequado para marcar os jogos da Copa Governador deste ano. Os quatro COT’s [Centro Oficial de Treinamento] prometidos prometidos, para serem construídos e que seriam usados pelas seleções que vieram disputar jogos na Arena Pantanal, começaram a construir apenas dois, o da UFMT e o da Barra do Pari que estão com as obras paradas a cinco anos, abandonados e sendo depredados.

A primeira vez em que parte do muro do estádio Presidente Dutra caiu em virtude de chuvas fortes em Cuiabá.Levou quase um ano para ser reparado. [Acervo pessoal de Joacir]
O tradicional estádio Presidente Eurico Gaspar Dutra, está interditado para jogos oficias desde de 2013 pela Justiça Estadual. Uma parte de seu Muro caiu em virtude de chuvas fortes que caíram na Capital e levou quase um ano para ser recuperado. Caiu outra parte e já faz mais de um ano que está apenas com alguns tapumes. Para a disputa da Copa Governador prevista para começar na próxima semana a federação deverá marcar jogos nos Centro de Treinamentos que foram cedidos pelo Cuiabá e pelo Clube Ação.

Demolir o  estádio Governador José Fragelli/Verdão, para que? O próprio politico corrupto declarou em depoimento ao Ministério Publico que foi para roubar dinheiro publico. Esses estádios, Dutrinha e Verdão que foram responsáveis pela época de ouro de nosso futebol estão tendo e tiveram um fim ingrato. ISTO É UMA VERGONHA!!!

Comentários Facebook