Executivo da OAS, Léo Pinheiro fica em silêncio durante depoimento na Lava Jato

618

Estadão Conteúdo

Léo Pinheiro foi chamado para depor como réu em ação penal na Justiça na qual também é réu o ex-senador Gim Argello
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Léo Pinheiro foi chamado para depor como réu em ação penal na Justiça na qual também é réu o ex-senador Gim Argello

O executivo Léo Pinheiro, da OAS, ficou em silêncio durante seu interrogatório na Operação Lava Jato. Frente a frente com o juiz federal Sérgio Moro, o empreiteiro disse que “por orientação dos advogados” não responderia a nenhuma pergunta.

LEIA MAIS: Marco Aurélio contraria Gilmar Mendes e pede apuração de vazamento

O empreiteiro da OAS foi chamado para depor como réu em ação penal na Justiça Federal do Paraná na qual também é réu o ex-senador Gim Argello.

Léo Pinheiro, condenado a 16 anos de reclusão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa na Lava Jato, teve a negociação de sua delação premiada suspensa pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

A interrupção foi provocada pela divulgação de informações sobre o ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF). O ministro teria sido citado por Leó Pinheiro, o que é negado pelo procurador-geral.

Comentários Facebook