Diretoria recebe entidades representativas de policiais civis

42


Assessoria/Polícia Civil-MT

Diretores da Polícia Civil recebeu na tarde desta terça-feira (24.11) representantes de entidades classistas que representam investigadores para tratar sobre inquérito instaurado pela instituição sobre apuração que poderia envolver um atentado contra policiais civis.

 

A Polícia Civil instaurou um novo procedimento investigativo, através da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO), para dar continuidade aos fatos apurados no auto de prisão em flagrante lavrado na Central de Flagrantes da Capital, no dia 12 de novembro de 2020, quando cinco pessoas foram presas por formação de quadrilha, posse ilegal de arma de fogo, receptação e uso ilegítimo de uniforme ou distintivo.

Na quinta-feira (19.11), diretores da Polícia Civil receberam na sede da instituição uma investigadora que trouxe, informalmente, fatos relevantes que poderiam estar ligados ao inquérito instaurado e envolveria um atentado contra policiais civis.
Em razão dos fatos comentados informalmente e por envolver situação em tese relevante, na segunda-feira (23.11), a Diretoria-Geral encaminhou determinação à Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO) para apuração de demais fatos novos, inclusive sugerindo a oitiva formal das servidoras.

A presidente do Sindicato dos investigadores e a outra policial foram ouvidas na tarde de segunda-feira, na GCCO. As investigações estão na fase inicial e não há detalhes a serem passados no momento, para não atrapalhar o andamento dos trabalhos. 

O diretor-geral adjunto, Gianmarco Pacola Capoani, enfatizou que todos os procedimentos são realizados com a cautela que o caso requer, de forma técnica, para que se esclareça o quanto antes os fatos, dentro do que compete à Polícia Civil.

Participaram da reunião representantes da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis (Cobrapol), da Federação Interestadual de Policiais Civis das regiões Centro-Oeste e Norte (Feipol)e do Sindicato dos Investigadores de Mato Grosso.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook