Cassação de Abílio Junior: Comissão de Ética rejeita documentos apresentados por Juca do Guaraná

240

Presidente da Comissão de Ética da Câmara de Vereadores de Cuiabá entrega dados ao GAECO

Fonte: jornal A Gazeta

O vereador Toninho de Souza (PSD), protocolou na terça-feira (03), no Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), documentos anexados pelo vereador Juca do Guaraná (Avante) que contestariam da denuncia feita por uma servidora da Prefeitura. Ela diz ter presenciado parlamentares municipais recebendo dinheiro para cassar Abílio Junior na Comissão.

 Foram entregues a lista de presença na residência do vereador Juca do Guaraná e imagens do circuito  interno  que  registram a  presença  de pessoas  do  condomínio naquela  data.  “Isso não faz parte de investigação na Comissão de Ética. Assim como aconteceu no primeiro caso, nós trouxemos ao Gaeco, com informação complementar da noticia-crime que trouxemos aqui. Então o Gaeco vai analisar essas imagens, ver se essa pessoa realmente esteve presente ou não. Trouxemos ao Gaeco para ver se isso é verdade ou não“, disse Toninho de Souza.

Toninho de Souza também afirmou que os documentos apresentados por Juca do Guaraná foram anexados na Comissão, porém, foram rejeitados já que não fazem parte da investigação contra Abílio. “Agora o Gaeco irá analisar todas essas situações, o depoimento delas, para saber se ela esteve presente naquela reunião. Registrou em vídeo a entrada dela. Aquilo que ela falou se comprova realmente?“, questionou p presidente da Comissão.

Questionado se houve pedido de investigação contra vereadores que foram denunciados pela testemunha, Toninho disse que ainda não foram denunciados nenhum dos envolvidos. “Houve um pedido de cassação do vereador Juca do Guaraná não por esse incidente, a representação contra ele feita pelo vereador Abílio Junior, por falas em plenário feitas por Juca do Guaraná“, explicou.

A investigação em andamento é decorrente da denuncia de uma servidora pública, que afirmou que os vereadores da base do prefeito se reuniram na casa de Juca do Guaraná para negociarem a cassação de Abílio Junior, com pagamento de propina em dinheiro.

Ao site o bom da notícia, na segunda-feira (02), o prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) disse que “irá até as últimas consequências” para provar que não participou deste encontro e que “A verdade terá de aparecer, a servidora que me acusou e que ainda acusou outros tantos vereadores terá de provar o que disse“.

Ela [a funcionária que fez a denúncia] vai ter que provar [a versão de compra de votos], vai ter que mostrar quem está por trás dela, porque agora eu vou até às últimas consequências. Ela falou que tem vídeo, que tem áudio, então, ela tem que entregar publicamente para a imprensa e a polícia”, disse o prefeito em live ao site O Factual.

Comentários Facebook