A POLEMICA DOS BANDIDOS MENORES DE IDADE

684

Sem vaga para internar, justiça nega ‘detenções’

Em 10 meses, 276 pedidos do interior para internações de adolescentes marginais, no Centro de Atendimento Socioeducativo de Cuiabá (POMERI), foram indeferidos. A negativa se deu por conta da falta de vagas na unidade. A questão tem reflexo na própria capital.  Desde abril, foi determinado que a capacidade máxima do centro não seria ultrapassada e, por isso, alguns menores apreendidos foram liberados. Desde então, pelo menos 17 jovens voltaram ás ruas de Cuiabá, apesar  de ser reconhecida a gravidade dos atos infracionais praticados.

O juiz da 2ª vara especializada da Infância e Juventude da Comarca de Cuiabá e Corregedor do Complexo Pomeri, Túlio Dualibi, em entrevista ao jornal A Gazeta, página B1 de domingo (19.06), observa que a procura por vagas entre as unidades do Estado é muito grande e, assim, da mesma forma como os centros do interior pleiteiam espaço no Pomeri, é buscado também daqui para região interiorana.

Dualibi explica que a decisão de liberar o menor por falta de vagas se deu porque foi percebido que o magistrado estava tomando para si uma responsabilidade que, efetivamente, não era dele. Reconhece que tal pratica possa levar o menor à reincidência, e é lógico isso acontece constantemente, e justifica dizendo que a internação levaria à superlotação do  complexo e, por isso, são liberados, ‘na verdade, são jogados sobre a sociedade que é obrigada a sustentar os muitos vícios desses menores marginais, pois todos são viciados em todo tipo de drogas‘. (Grifo nosso)

Acusa o poder público de não cumprir obrigações naturais com a sociedade. Diz que a população carcerária é enorme porque em algum momento o Estado se descuidou dessas crianças e adolescentes. Afirma também que o reflexo vem do Estado não cumprir algumas promessas constitucionais, como, saúde, educação e transporte. “Mas e a imensa maioria de jovens e adolescentes da periferia que também não recebem nada disso do governo, mas estudam e trabalham e nunca cometeram crimes? A verdade é clara e cristalina. A população de menores bandidos cresce porque eles tem plena consciência de podem fazer o que bem entendem e nada acontece com eles. A grande maioria vive a serviço do trafico e marginais adultos se aproveitam de suas posições privilegiada quanto à lei.” (Grifo nosso.

Quando punidos, o  máximo que acontece é de serem internados por no máximo três anos em instituições que mais parecem Spas de primeira classe, com comida boa, Tv, piscina, campo e quadra para futebol, dentistas, psicólogos e visita intima. Coisa que os menores decentes nunca tiveram por parte de governo  nenhum. Quem não vai querer um castigo desses???

Mas isso vai mudar. Um dia a população brasileira vai cansar de ser vitima e resolver a situação à sua maneira. Dos políticos nunca se pode esperar nada de bom. Da justiça,  também não, só pensa nela mesma, em aumentar seus salários e patrimónios. Só resta à população fazer o que tem que ser feito: JOGAR A SUJEIRA PARA BAIXO DO TAPETE!!!

Comentários Facebook